Retenção de impostos na fatura de serviços e produtos

Ter uma empresa exige o cumprimento de uma série de obrigações fiscais. No Brasil, eles não são poucos e podem confundir. o Imposto retido na fonte na fatura de serviçopor exemplo, geralmente gera dúvidas. Conhecer suas regras e saber aplicá-las é essencial para evitar problemas com o Tesouro.

Ter uma empresa exige o cumprimento de uma série de obrigações fiscais. No Brasil, eles não são poucos e podem confundir. o Imposto retido na fonte na fatura de serviçopor exemplo, geralmente gera dúvidas. Conhecer suas regras e saber aplicá-las é essencial para evitar problemas com o Tesouro.

Emitir notas fiscais de sua empresa em um sistema de gerenciamento para evitar erros

Impostos retidos na fonte e substituição tributária

Quando você decidiu ter seu próprio negócio, talvez você não tivesse ideia da quantidade de detalhes que envolvem o gerenciamento fiscal adequado. Além dos impostos que você paga para manter a empresa funcionando dentro da lei, há aqueles que precisam ser retidos para cada serviço realizado ou produto vendido.

mas Como isso funciona?

Segundo o advogado Paulo Melchor, consultor jurídico, especialista em pequenas empresas e professor de direito empresarial e tributário, tanto o imposto retido na fonte, que é aplicado na prestação de serviços, quanto a substituição tributária, que se destaca na nota fiscal do produto, Para garantir o recebimento de impostos pelo Tesouro, antecipar o pagamento do mesmo e ainda combater a evasão fiscal no país.

entenda:

Retenção de impostos

Dependendo do serviço prestado, ao emitir uma fatura, sobre o valor total pago pelo cliente, é necessário aplicar o desconto relativo ao imposto devido, que varia de acordo com o imposto e sua taxa. Esse valor é direcionado ao governo federal, considerando as Contribuições Sociais retidas na Fonte (CSRF): PIS, Cofins e CSLL, além de Imposto de Renda e INSS. Mas também há deduções cobradas pelos municípios, como é o caso do ISS.

Na prática, devido à antecipação da cobrança, sua empresa não receberá o valor total acordado no orçamento ou na venda com o cliente, já que seu pagamento será desconto as percentagens relativas aos impostos aplicáveis.

A responsabilidade pela cobrança de impostos retidos, no entanto, será da pessoa jurídica contratante do serviço, desde a menor cobrança do valor total cobrado pelo prestador do serviço.

Não há retenção de impostos nos pagamentos feitos a microempresas e pequenas empresas que optam pelo Simples Nacional, apenas para aqueles que se enquadram nos regimes de lucro real ou lucro presumido. Uma exceção é o ISS, porque o município pode exigir sua antecipação, até mesmo pelas empresas que optam pelo Simples.

Desde que cumpram com esta norma, estão sujeitos a retenção na fonte na fatura de serviço diversos segmentoscomo limpeza, conservação, manutenção, segurança, vigilância, auditoria, consultoria, consultoria, advocacia, aluguel de mão de obra, arquitetura e engenharia, contabilidade, educação e treinamento, entre outros.

Substituição tributária

Esta é uma antecipação da cobrança do ICMS atribuído a um contribuinte diferente do gerador da própria venda. Na chamada substituição de imposto a termo, o imposto relacionado a eventos geradores que devem ocorrer posteriormente é coletado, com base em cálculo presumido.

Na prática, apenas uma empresa é responsável pela cobrança do ICMS devido em toda a cadeia produtiva, atuando como substituto tributário dos demais envolvidos nas operações. Por esse motivo, a cobrança do imposto tende a se concentrar nas indústrias e importadores.

Como é um imposto estadual, o normas eles mudam de acordo com a unidade da federação. Por isso, alerta Melchor, é importante que o empresário esteja bem informado para cumprir as leis de origem e destino das mercadorias e não sofrer danos.

Alguns dos setores em que a substituição tributária se aplica na maioria dos estados são: veículos, bebidas, combustíveis e lubrificantes, tintas e vernizes, materiais elétricos e fumaça. Nas operações interestaduais, o relacionamento inclui empresas de cosméticos e materiais de construção, entre outras.

Para um melhor entendimento, considere o exemplo de um pequena indústria de bebidasque vende refrigerantes para bares. Além do imposto sobre a saída da mercadoria da empresa, é necessário cobrar o ICMS da seguinte tributação, ou seja, a venda feita pelas barras aos consumidores.

Como não há certeza de que tal venda se materialize, o consultor jurídico critica a substituição tributária. Ele também acredita que as pequenas empresas são as principais perdedoras, já que acabam pagando o mesmo imposto para as grandes empresas.

Como exemplo, mesmo no segmento de bebidas, Melchor cita um vinho cuja marca é vendida tanto em mercados quanto em um restaurante badalado, mas a preços muito diferentes. Se ambos adquiridos por R $ 10, mas o primeiro é vendido por R $ 20 e o segundo por R $ 100, o que determina o imposto pago não é aquele valor para o consumidor, mas um custo médio estabelecido a partir dos estudos anteriores. do pequeno empresário e abaixo do que é cobrado pelo grande empresário). É nesse valor médio que o imposto recolhido antecipadamente afeta.

Apesar das críticas, concorda que a substituição tributária ICMS reduz a evasão fiscal. E a razão é matemática: é mais fácil auditar algumas dezenas de indústrias de bebidas do que centenas de milhares de bares e restaurantes.

Quando você coleta os impostos retidos na fatura de serviço

A cobrança de impostos retidos na fonte ocorre em tempos diferentesde acordo com as regras aplicáveis ​​a cada imposto. No caso do Imposto de Renda, o evento gerador é dado pelo crédito ou pagamento à pessoa jurídica que o fornece – o que ocorrer primeiro. Em relação ao CSRF, é o pagamento à pessoa jurídica beneficiária.

Para ambos os impostos e contribuições, a cobrança que será feita através do DARF (documento de cobrança de receita federal), deve ser feita até o último dia útil da segunda década do mês seguinte àquele mês em que o pagamento foi feito à pessoa. pessoa jurídica que presta serviços.

No caso do INSS e do ISS, o prazo para a cobrança desses tributos levará em consideração a competência na qual a fatura foi emitida com as devidas retenções. Em relação ao INSS, de acordo com o art. A partir do Regulamento da RFB nº 971/2009, a empresa contratante deverá efetuar a coleta até o vigésimo dia do mês subseqüente ao da emissão da fatura. Para o ISS, a data de coleta pode variar de acordo com o Conselho da Cidade.

Quando o ICMS é recolhido, no regime de substituição tributária

De acordo com a Convenção Nº 142/2018, a cobrança do ICMS-ST deve ser feita no seguintes termos:

I – até o 9º dia do mês subseqüente à saída da mercadoria, no que se refere ao contribuinte por substituição inscrito no cadastro do contribuinte do ICMS da unidade federada de destino;

II – na saída da mercadoria do estabelecimento remetente, no caso de contribuinte por substituição não registrada no registro do contribuinte do ICMS da unidade federada de destino;

III – até o dia 2 do segundo mês seguinte à saída da mercadoria, na hipótese de responsabilidade pela substituição tributária atribuída ao optante pelo Simples Nacional, registrada na unidade federada de destino.

No entanto, os Estados podem definir novos prazos em relação à cobrança desse imposto, dependendo da mercadoria comercializada. Portanto, é importante verificar a natureza obrigatória e expiração deste imposto, tanto no estado em que a empresa está localizada, como nas outras unidades da federação, nas operações interestaduais. Nesta segunda situação, a cobrança do ICMS-ST é feita por meio do GNRE (Guia Nacional de Arrecadação de Impostos Estaduais).

Para quem pensava que o empreendedorismo era apenas sobre o fim da atividade empresarial, pode ser difícil entender todos os detalhes de retenção e cálculo de recolhimento de acordo com a operação, o serviço e até mesmo o cliente.

É por isso que, para fazer o imposto retido na fonte na fatura, a sugestão básica de Melchor para o pequeno empresário é buscar a assistência do contador, que é quem melhor responderá sobre alíquotas, descontos e regras também aplicáveis ​​a uma possível substituição tributária. em caso de estabelecimento comercial. "É importante fazer um estudo sobre as obrigações que você tem que cumprir", ele sugere.

Na realidade das micro e pequenas empresas, lembra o consultor jurídico, o contador terceirizado costuma ser o único profissional disponível para resolver esses casos. Mas como ele não está presente em período integral, cabe ao empreendedor buscar o conhecimento das leis e suas obrigações evitar erros que pode custar caro "Se eu vou abrir um negócio, tenho que planejar tudo isso muito bem, entender o sistema, não é apenas saber vender ou atender clientes", alerta.

Mantenha na fonte, mas parar de fazer a retirada, por exemplo, é um equívoco bastante perigoso. Ele pode ser configurado como uma apropriação indevida, que é um crime previsto no Código Penal. "Muitas empresas acabam se desmembrando por conta disso, um passivo tributário cresce rapidamente, assim como a mão-de-obra, por não registrar funcionários, situações que podem levar a empresa à falência", reitera.

Tecnologia pode ajudar na gestão tributária

Como você viu neste artigo, a retenção de impostos na fatura não é uma questão de escolha, mas um obrigação prevista por lei. Além de conhecer detalhes sobre alíquotas e incidentes e contar com a ajuda de um contador, o empreendedor pode descomplicar essa tarefa com um sistema de gerenciamento on-line.

Com o avanço da tecnologia, não há mais porque quebra a cabeça com calculadora, lápis e papel. Esse tipo de ferramenta automatiza e integra as operações, desde a emissão de notas fiscais até a previsão de impostos retidos na fonte, com atualização e acesso facilitado, mesmo de dispositivos móveis.

Notas fiscais: tudo o que você precisa saber Preparamos uma semana especial com webinars gratuitos na fatura. Aproveite para tirar todas as suas dúvidas: da questão à gestão financeira. Ver agora

Ainda não sabe o sistema de gestão a adotar? Experiência de graça Conta azul!